Justiça proíbe confinamento de jumentos acima da capacidade de frigorífico em Itapetinga

Empresa é responsável pela morte de 200 jumentos, no início de setembro. Descumprimento da decisão pode suspender atividades das empresas.

A Justiça determinou que um frigorífico responsável pelo abate dos jumentos na cidade de Itapetinga, sudoeste da Bahia, não compre e confine os animais em quantidade superior à capacidade de abate do estabelecimento.

Os jumentos pertencem à empresa chinesa Cuifeng Lin e são abatidos pelo Frigorífico Regional Sudoeste. No início de setembro, 200 animais morreram em decorrência de maus-tratos, na fazenda de criação da empresa.

Ainda com base na determinação judicial, o frigorífico não pode transportar ou receber os equinos que estejam sem a Guia de Trânsito Animal (GTA), devidamente emitida pela Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab).

Além disso, tanto o frigorífico quando a Cuifeng Lin, devem providenciar o bem-estar dos jumentos, disponibilizando alimentação, hidratação e acompanhamento médico-veterinário. O descumprimento das determinações judiciais pode levar à suspensão das atividades das duas empresas.

Os animais que sejam recusados ao abate por fiscais do Ministério da Pecuária, Agricultura e Abastecimento (Mapa) deverão ser presos em local adequado, com tratamento de acordo com as normas sanitárias, até que eles sejam liberados, seja para abate ou para outra destinação apropriada.

A fazenda de criação de jumentos, onde os 200 animais morreram por maus-tratos foi interditada pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente, no início deste mês. O local é investigado pela Polícia Civil e do Ministério Público Estadual (MP-BA). A Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) também fiscaliza a situação.

Os animais pertencem à chinesa Cuifeng Lin e são levados para a fazenda antes de serem encaminhados para o frigorífico, para serem abatidos. Em seguida, a carne é exportada para o Vietnã.

Com a interdição, a empresa foi impedida de levar novos jumentos para a fazenda. Apenas os que já estavam no local seguem o processo de abate. O Frigorífico Sudoeste, responsável por abater os animais, se comprometeu a suspender a operação até que a empresa chinesa resolva as irregularidades.

A reportagem tentou falar com a empresa responsável pelos jumentos, mas não conseguiu contato até a publicação da reportagem.

Fonte:G1